Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Tipos de garantias num crédito bancário

Um dos elementos essenciais na contratação de um empréstimo bancário são as garantias oferecidas à entidade financeira. Sem garantias os bancos não tinham formas de recuperar os capitais cedidos. Assim a qualidade das garantias prestadas faz parte do processo de atribuição de capitais e sem a qual não existe acesso aos capitais.

É necessário por vezes mais que as garantias constitucionais, dos direitos e deveres de cada um para com as entidades/organizações que nos relacionamos. A celebração de um contrato de crédito pressupõe direitos e obrigações: o direito de ter acesso a capital alheio e a obrigação de o devolver acrescido pelo seu custo, num prazo acordado. Analisando os contornos da operação assim será requerida um ou mais garantias, assim vamos ver como se dividem.

Existem 2 tipos de garantias bancárias:

Garantias intrínsecas

Podemos enquadrar neste capitulo tudo o que está relacionada com leis, de acordo com o Código Comercial na componente dos contratos, o comprador é responsável pelo pagamento do bem ou serviço adquirido. Nas instituições financeiras o produto que comercializam é dinheiro e como tal pretendem reaver o seu dinheiro juntamente com o custo da utilização do capital: os juros.

Por vezes as pessoas não têm consciência disso, mas quando pedem dinheiro emprestado têm a obrigação de o devolver acrescidos do juros, custos e comissões previamente acordados. Estes empréstimos ocorrem frequentemente, mas apenas para pequenas quantidades de dinheiro.

Garantias acessórias

Constituem garantias acessórias, os mecanismos de reforço da garantias intrínsecas, assim a instituição financeira de modo a proteger-se perante prováveis incumprimentos de responsabilidade pelos titulares de financiamento exigem uma segurança adicional, para viabilizarem a operação de crédito proposto pelos interessados. Na verdade os bancos não querem executar garantias, pois representam um custo de vários níveis: seja de dinheiro ou de tempo. O intermediário financeiro querer transaccionar capitais, não quer ser proprietário de bens, que posteriormente terá de vender.

Exemplo das principais garantias requeridas:

Garantias pessoais

  • Seguro de crédito através de uma seguradora
  • Fiança através de um fiador
  • Aval através de um avalista
  • Livrança

Garantias reais

  • Consignação de rendimentos
  • Penhor
  • Hipoteca

Sem garantias sólidas por parte do interessado é difícil poder ter acesso ao crédito bancário, se não impossível. Os custos relacionados com com a operação também estão dependentes das garantias apresentadas. É completamente diferente penhorar um aplicação financeira ou executar uma livrança sobre um automóvel. A primeira tem liquidez elevada logo o grau de segurança para o banco é elevado, um automóvel perder valor com o tempo e é um bem móvel sendo por isso mais difícil transformar o bem em dinheiro. Assim o Spread a praticar é completamente diferente pois o risco da operação é completamente distinto.

Subscrever actualizações

rss

Comentários



AVISO:Todos os artigos publicados no blogue bancario.pt são puramente informativos e não podem ser confundidos com aconselhamento financeiro.